Ir para o conteúdo

O que rolou na jam session de 25/05

Com a providencial ajuda de São Pedro, aquele calor baiano de outono e mais de duas mil pessoas a fim de celebrar a vida, a música, o lugar, o "sair de casa", o mar, o MAM, o jazz, as mina e os mano – enfim, tudo isso e muito mais –, as artistas da banda Panteras Negras abriram nossa JAM no MAM de maio (25/05) com chave de ouro!

Banda Panteras Negras na JAM no MAM - Foto Lígia Rizério

Quem esteve presente teve o prazer de curtir mais uma vez (essa é a segunda participação da Panteras na JAM) o som da banda instrumental baiana formada por mulheres negras que vem causando um burburinho na cena local. No nosso “palco paralelepípedo”, Suyá Nascimento (guitarra), Line Santana (bateria), Dedê Fatuma (percussão) e Zinha Franco (baixo) interpretaram um repertório autoral com a participação da a percussionista Loiá Fernandes e da dançarina Letícia Pereira (que improvisou movimentos e deu “corpo” ao groove da banda).

Lorena Martins na JAM no MAM - Foto Lígia Rizério

As Panteras Negras se despediram com a música "Nzinga" num momento de interação com a banda anfitriã da noite, a Geleia Solar! Por sugestão do Mestre Gabi Guedes, a turma continuou no mantra entoado pelas próprias Panteras na canção de despedida, com nossa baterista Lorena Martins a postos e todos da Geleia Solar assumindo gradativamente seus lugares em substituição às Panteras (à exceção de Zinha, que seguiu no seu suingue marcante ao baixo elétrico, e de Loiá Fernandes, a "quinto elemento" na percussão).

Banda Geleia Solar na JAM no MAM de maio 2019 - Foto Lígia Rizério

A Geleia, que não é boba nem nada, criou forma no palco com um timão de qualidade: André Becker (sax tenor), Rowney Scott (sax soprano), Matias Traut (trombone), Felipe Guedes (guitarra), Ivan Huol e Lorena Martins (bateria), Ivan Bastos (baixo), Gabi Guedes (percussão) e Luizinho Assis (teclado). Tá bom pra você...? O público adorou e nossos artistas não deixaram a música parar, emendando "Lugar comum" (Gilberto Gil e João Donato) e "Deixa" (Baden Powell). Em nome da nossa dura realidade de "apenas" duas horas de jam session por mês, seguiu-se uma JAM dinâmica, com canjas de quem sabe tocar dentro da onda dos temas e improvisos.

Vanessa Melo na JAM no MAM de maio 2019 - Foto Lígia Rizério

Rolou um momento "cantoria" com as canjas de Daíra, em uma interpretação magistral de "Influência do jazz" (Carlos Lyra), Vanessa Melo, que interpretou "Triste" (Tom Jobim) utilizando o tema “Giant Steps” (Coltrane) como introdução, e Viviane Pitaya, que mandou um reggae-mantra de sua própria autoria chamado "Calmaria". Mas, calma, que a JAM no MAM é um projeto de música instrumental e tivemos também as participações de Normando (trompete), Alexandre Vieira (baixo), Jordi Amorim (guitarra) e dos percussionistas Batata, Luan Costa, José Izquierdo (professor de percussão afro-cubana) e André Tang. Ainda teve Artur Carneiro no baixo em "My favorite things" (de Richard Rodgers e Oscar Hammerstein II), na versão de John Coltrane, e a derradeira "Samba e amor" (Chico Buarque), pra fechar essa noite incrível!

Agora responda: em que outro lugar você vive um momento desses?

Confira mais cliques de Lígia Rizério:

Leícia Pereira na JAM no MAM de maio de 2019 - Foto Lígia Rizério

JAM no MAM de maio de 2019 - Foto Lígia Rizério

Panteras Negras na JAM no MAM de maio de 2019 - Foto Lígia Rizério

Nossa próxima JAM? Vamos lá: Antes tínhamos jam sessions semanais, mas agora a JAM no MAM encontra-se sem patrocínio regular, viabilizando sua produção somente com o apoio do público, através da campanha FÃ da JAM. Dentro da campanha, a principal fonte de recursos hoje é o valor real do próprio ingresso, que qualquer pessoa pode adquirir online, no portal Eventbrite. Então, estamos trabalhando com uma data do mês de julho para nosso próximo encontro musical, contando com as contribuições do próprio público FÃ da JAM!