Ir para o conteúdo

O que rolou na primeira JAM no MAM de 2020

Quem apostou que o céu nublado e a semana de tempo incerto fossem prejudicar nossa JAM no MAM de janeiro, perdeu!  Música instigante e encontros fantásticos deram o tom da noite que, como convidada especial, contou com a pianista paulistana Débora Gurgel!

Debora Gulgel na JAM no MAM. Foto Lígia Rizério

Ela se juntou à banda Geleia Solar, formada por Wadson Calasans (guitarra), Gabi Guedes e Lorena Martins (percussão), Luisinho Assis (piano), Ivan Huol (bateria) e Ivan Bastos (baixo), para mostrar ao público sua belíssima composição "Chorando em Campo Belo". Em seguida, o trio de sopros formado por Matias Traut (trombone), Rowney Scott (sax soprano) e André Becker (sax alto) ocupou espaço na interpretação de "Lugar comum" (João Donato/Gilberto Gil).

JAM no MAM 2020. Foto Lígia Rizério

A partir daí o repertório não parou de surpreender e, em "Cantaloupe island" (Herbie Hancock), o alemão Jonas Vollmer deu canja tocando bateria. Também teve participação do guitarrista irlandês Patrick em "Eighty one". Já em "Cravo e canela" (Milton Nascimento), rolou dobradinha feminina com Lorena Martins na bateria e Jorgina nas congas, além de Marcelo Andrade na flauta e a ilustríssima participação de Jurandir Santana na guitarra. E mais: As cantoras Cecília Stalin (Suécia) e Jennifer Jade (Porto Rico) se juntaram à baiana Shalin Way num groove improvisado que conquistou o público, contando com Tavis Magalhães na guitarra e Beto Martins na bateria.

Ainda entraram no repertório as canções "Brigas nunca mais" (Tom Jobim) e “Donateando” (Ivan Huol), encerrando lindamente a noite com toda a Geleia Solar no palco trocando com Débora (no piano), Rui da chave, e os percussionistas Paulo Giron, Saulo Tupinambá e Luan Costa.

Nossos próximos encontros? No dia 31/01 a banda Geleia Solar toca com o grupo Panteras Negras no projeto Jazz no Castelo, em Praia do Forte, e no dia 29 de fevereiro, logo depois do carnaval, tem JAM no MAM no Solar do Unhão.

JAM no MAM 2020. Foto Lígia Rizério

JAM no MAM 2020. Foto Lígia Rizério