Ir para o conteúdo
Marcas de patrocínio e incentivo

Além de uma das mais belas vistas de Salvador, quem passa pela Av. Contorno nos finais de tarde dos sábados pode conferir um movimento grande de pessoas e carros se dirigindo ao Solar do Unhão, uma construção do século XVI que é a sede do Museu de Arte Moderna da Bahia. O motivo é a JAM no MAM, projeto que leva aos finais de semana do Museu uma trilha sonora especial, baseada no melhor estilo das jam sessions.

Ponto de encontro garantido de músicos locais, o projeto vem atraindo artistas de todo o mundo que, de passagem pela Bahia, encontram ali um espaço democrático para ouvir Jazz com “sotaque baiano” e exercitar a arte da improvisação ao lado da banda Geleia Solar e de músicos profissionais que são referência no mercado local.

A JAM no MAM é um projeto da Huol Criações, tem direção artística do músico Ivan Huol e acontece todos os sábados no MAM – Museu de Arte Moderna da Bahia, a partir das 18h. Ele é uma continuação das jam sessions que eram realizadas entre 1993 e 2001 no Museu de Arte Moderna da Bahia. Também sob a coordenação do músico Ivan Huol, elas eram chamadas de Jazz MAM e aconteciam em frente à igreja do Solar do Unhão. 

Excelentes músicos brasileiros já tocaram na JAM, além de artistas dos Estados Unidos da América, Canadá, Argentina, Colômbia, Itália, França, Bélgica, Alemanha, Áustria, Irlanda, Chile, Cuba, Argélia, Japão e Dinamarca, entre muitos outros países – e, é claro, a nata da cena instrumental baiana!

Em 25 de agosto de 2007 o projeto retornou num local mais amplo, de cara com a Baía de Todos os Santos, e assumiu o apelido pelo qual já era conhecido pelos seus freqüentadores: JAM no MAM! E o sucesso do projeto permitiu que, em agosto de 2009, fossem comemorados os dez anos de realização, com uma programação especial que incluiu shows de artistas como Elza Soares, Toninho Horta, Fernando Sodré e Jurassik Quartet. Em maio de 2011, a marca de 250 mil espectadores foi atingida. Em setembro de 2015, o público passou a marca de 500 mil!

Em todos esses anos, a JAM no MAM construiu algumas peculiaridades musicais que a diferenciam de outras jam sessions espalhadas pelo mundo. Graças à forte tradição percussiva da música baiana e à riqueza de ritmos da cultural popular local, as performances no MAM oferecem um mix de baião, samba, frevo, salsa, blues e swing, trazidos para um universo que tem como tônica a improvisação. Tudo isso transforma a JAM em uma experiência única, que é a cara da Bahia e, por isso mesmo, universal!

Ivan Huol, diretor artístico da JAM no MAM, possui mais de 20 anos continuados de jam sessions em Salvador, o que o coloca hoje na posição de um dos principais criadores e incentivadores da – cada vez mais estruturada – cena instrumental local. Entre os projetos criados por ele estão “Jam session no Pátio do ICBA”, entre 1991 e 1992, “Jazz MAM”, entre 1993 e 2001, “Jazz em Pirajá”, 2001 e 2002, “Jazz no Pátio (do ICBA)”, em 2004, “Tim Sessions”, em 2005, “Jazz na Praça”, entre 2006 e 2007 e “Passo no Jazz”, em 2015. Mas é mesmo a JAM no MAM, realizada desde 2007 pela Huol Criações, a que mais atraiu público e contribuiu de maneira significativa na formação de plateia da música instrumental e no intercâmbio entre músicos profissionais ou em formação, que exercitam a arte da improvisação ao lado de músicos experientes no mercado.

Os anos de atividade da JAM no MAM são contabilizados tanto pelas sessões recentes do projeto quanto pelas performances realizadas no antigo “Jazz MAM”, entre 1993 e 2001. E os números continuam a impressionar: de 25 de agosto de 2007 a 17 de dezembro de 2016, o projeto atingiu a representativa marca de 581.647 pessoas no total, com centenas de jam sessions. Tudo registrado em notícias, vídeos e fotos que entraram para a história do projeto e da própria música instrumental brasileira – e que ficam arquivados nos canais de comunicação da JAM para pesquisas, compartilhamentos e memórias dos mais variados tipos.

Foram lançados quatro DVDs (todos patrocinados pela Oi) e produzidos 51 programas de TV e 51 programas de rádio. A Huol Criações produziu ainda 241 vídeos (até dezembro de 2016) para o canal da JAM no MAM no youtube e emprega mais de 50 pessoas (diretamente) para os encontros semanais, sem contar as dezenas de pessoas que estão ligadas indiretamente ao projeto.

Desde os anos 1980 com nomes como Lula Nascimento, Luciano Chaves, Annunciação, Luciano Sousa, Guimo Migoya, Fred Dantas, Claus Jack, Gini Zambelli Zeca Freitas, o Festival de Música Instrumental da Bahia, o Bar Vagão, Mou Brasil, Sérgio Souto, Aderbal Duarte, o Sexteto do Beco e Paulinho Andrade, até hoje com a Rumpilazz, o Grupo Garagem, a Casa de Castro Alves, a Casa da Mãe, o Jazz na Avenida, o Oliveira, a Aliança Francesa e todos que contribuem para o fortalecimento de uma cultura musical não subserviente à cultura dominante do jazz mundial, a JAM no MAM festeja a criação de um jazz com legítimo sotaque baiano, com muito samba, bossa, salsa, funk, axé, frevo, jazz, bolero e blues, tudo transformado em pretexto à improvisação.